Retrospectiva 2018: As 10 melhores séries do ano

Com o término de mais um ano, é sempre válido analisar aquilo de bom que tivemos no decorrer do mesmo.

Na indústria televisiva pode-se observar estreias singelas e ótimos retornos de séries veteranas; óbvio que nem sempre nossas expectativas são supridas, e a dor da frustração chega cedo ou tarde (dependendo do nível do conteúdo, claro).

Porém, o foco aqui não é falar disso, mas sim dos bons resultados que podemos destacar ao longo de 2018, e entre os mais diversos gêneros, o ano foi sortido e de bom agrado para muitos.

10. BARRY, SEASON 1 (HBO)

A décima posição da lista é destinada a série com proposta e sinopse mais exótica encontrada ultimamente. À primeira vista, esse projeto pode aparentar ter tudo para dar errado, mas não foi bem assim.

A estréia de Barry foi bem-vinda, a premissa de ex-assassino depressivo que visa ser ator, embora estranha, colhe bons resultados, e a série desperta no público momentos de humor, ação e tensão, embora nem todos tão emocionantes e frenéticos. A performance de Bill Hader convence bem, e o telespectador acaba surpreso no final, por ser justamente uma grata surpresa.

9. KILLING EVE, SEASON 1 (BBC AMERICA) 

Seguindo a linha de estreias antes de citar as veteranas, Killing Eve é a típica série perfeita para recomendar para os amigos, a proposta é direta, não tão difícil de entender (não exige muito de você como como telespectador).

Porém, nada disso é ruim, a série é outra grata surpresa, as performances são gratificantes e as mulheres dominam aqui. Killing Eve é bem fechada, agrada o público na medida certa, sem revolucionar mas também sem ser clichê, perfeita série para quem está de férias agora e procura algo bom pra ver.

8. LEGION, SEASON 2 (FX)

Talvez o ponto mais polêmico da lista, é necessário de analisar que Legion é atípica, porém acaba não gostando delas telespectadores com má vontade de assistir. Embora com alguns episódios audaciosamente pretensiosos, a série ganha por ser diferente, algo difícil de encontrar em 2018.

Com uma forma de contar preguiçosa, Legion ainda têm muito a dizer e em nenhum momento a série é gritante, fala o que precisa ser falado e no momento que tem que ser. Com um series finale da segunda temporada tão gratificante, a série mostrou ser justa aquilo que propôs.

7. SHARP OBJECTS, SEASON 1 (HBO)

Uma válida colocação para série que propôs um ótimo estudo de personagens, sem entregar nada de bandeja para o público e com performances notadamente bem executadas, entre elas as de Amy Adams e Patricia Clarkson.

Sharp Objects funcionou bem como minissérie, embora com a presença de frequentes críticas perante a estrutura da série em si, com a tendência de deixar tudo para ser explicado no final, ela é diferente do usual e entrega isso ao publico de forma não-óbvia, não se enxerga como falha no roteiro ou algo do tipo, apenas uma forma diferente de contar história. Merece o sétimo lugar da lista.

6. HOMECOMING, SEASON 1 (AMAZON)

Sam Esmail talvez seja o roteirista, produtor e diretor de televisão mais talentoso dentro da industria nos últimos anos. Depois de apresentar uma terceira temporada para Mr. Robot claramente bem estruturada, ele chega com essa estréia reforçando sua melhor qualidade e trazendo elementos muito bem-vindos para dentro da TV.

Homecoming foi outra estréia glamurosa. A série trás elementos não tão vistos na televisão e que merecem reconhecimento, como a típica estética de Sam, ela é ousada e cria uma tensão no publico de forma a carregar por vários episódios diretos, com apenas 30 minutos de duração, a série não enrola e é charmosa carregando o drama com o glamour de Julia Roberts e em sequências que valem a pena serem vistas. Claramente uma forte recomendação aqui do site.

5. THE HAUNTING OF HILL HOUSE, SEASON 1 (NETFLIX)

É claro que a série de terror com elementos de drama e suspense mais ousada de 2018 iria ocupar um lugar de relevância nessa lista, essa talvez seja a série do ano que mais mistura elementos e todos são tão bem executados que geram uma sensação de prazer no público.

Não apenas uma sensação, The Haunting of Hill House também é um ótimo estudo de personagens, todos tão humanos e sensíveis, com dores e pecados igual a todos. Essa é a típica série que poderia apelar para elementos do terror comum, mas resolve ser ambiciosa.

É criada aqui uma atmosfera de enredo densa, que atinge o clímax no momento certo, e aliado do terror não desesperador e performances bem alinhadas, o resultado é ainda mais gratificante. Provavelmente a maior produção original da Netflix nesse ano e merece sim, toda aclamação que recebe.

4. DAREDEVIL, SEASON 3 (NETFLIX)

A despedida da melhor série de super-heróis já feita não poderia ocupar posição mais honrosa nessa lista.  Após cancelamento injusto, é de ter tristeza enxergar o potencial que essa série têm ser jogado fora. O nível de qualidade presente na temporada faz jus ao excelente primeiro ano da série e consegue ser ainda melhor.

Não existe série de super-herói no mundo que consiga ser mais fiel que Daredevil. Em todos os sentidos, ela é um retrato cru de como deve ser difícil derrotar um vilão ou seja qual for obstáculo na vida, ainda mais uma pessoa com mesma capacidade de vitória que o concorrente possui em uma disputa.

Essa série é honesta, Matt pode ter seus sucessos, mas é após muito sofrimento que consegue seus méritos- nenhum título que chega a nós como humanos surge sem sacrifício, e a série retrata isso em uma temporada sublime de forma sincera e fiel.

3. TOM CLANCY’S JACK RYAN, SEASON 1 (AMAZON)

É válido perceber que séries da Amazon Prime chegaram pra ficar, tanto que essa já é a segunda do conteúdo de streaming presente aqui na lista, ainda mais em uma posição relevante como o terceiro lugar. A primeira temporada de Jack Ryan é uma aula de se como fazer televisão, com alocações deslumbrantes, sequências de ação de tirar o fôlego e um enredo que carrega a atenção do público por 8 episódios, esse com certeza, foi um dos melhores presentes que o telespectador poderia ganhar no ano.

A série surge pretensiosa, sempre deixando momentos de tensão para os minutos finais, depois mostra que é muito mais grande do que aquilo que vemos. É uma série rica, em todos os aspectos, a riqueza linguística é outro ponto essencial a ser notado, com a presença de um cast empenhado, tudo fica ainda melhor, a produção é de alto nível televisivo e poderia ser facilmente um filme longo se tudo fosse mais encurtado, porém tá ótimo do jeito que ficou.

Essa segunda série da Amazon Prime mostrou pra que veio, uma superprodução que provavelmente vai passar despercebida por muitos esse ano, o intuito aqui é convencê-los a ver também.

2. ATLANTA, SEASON 2 (FX)

O título de prata é pertencente a essa série agressiva, subversiva, ofensiva e militante. Tudo que o Brasil e o mundo precisa nesse momento, Atlanta é de uma riqueza cultural tão esplêndida que me assusta essa série ainda está ao ar de tão boa e não ter sido cancelada por falta de audiência ou afins.

Com críticas minimalistas e friamente bem encaixadas, a série marca o público com diálogos profundos e imersivos, a genialidade de Donald Grover não poderia estar presente aqui em grau mais pleno, sua criticidade e forma de contar história é de se gerar encanto.

Tudo é presente de um tom de humor azedo, mas bem colocado, muitos não acham engraçado de fato. Mas é o tipo de humor para o telespectador ficar no seguinte questionamento: “Isso é engraçado mesmo?” ou “É certo rirmos disso?”, tudo nessa série é bem apresentado, nada é feito ao acaso. E se a primeira posição dessa lista não tivesse sido tão merecida, facilmente ocuparia o lugar da mesma.

1. BOJACK HORSEMAN, SEASON 5 (NETFLIX)

Provavelmente essa série chegou em sua quinta temporada em sua plena forna, depois inclusive de uma temporada quase tão excepcional. O nível aqui só cresce a cada ano e têm tudo para acabar como um marco televisivo histórico.

“Você disse que quer melhorar mas não sabe como” – Diane

O quinto ano do cavalo meio humano narcisista e com tendencias auto-destrutivas, não poderia ter sido melhor, na verdade poderia justo por essa série nunca cansar de surpreender o telespectador, Bojack tenta melhorar, mas ele só tenta, como todos nós. Essa série é um reflexo de como a humanidade frustrada têm dificuldade de se recuperar de seja qual for o motivo para sua condição, porque nada nunca é fácil, e Bojack Horseman possui a habilidade de esfregar isso na cara do público de modo que faz não apenas você a se sentir mal, mas também faz você se sentir mal por ele e seus amigos igualmente problemáticos. E não se ”sentir mal” como a forma que 13 Reasons Why faz, e sim de levantar questionamentos sobre suas próprias atitudes e como você pode ser mais produtivo se conseguir mudar coisas simples, mas como dito, nada nunca é fácil.

A Era de ouro das animações, Steven Universe e Rick and Morty são outros ótimos exemplos que como esse gênero vive em uma boa época. Mas Bojack é ainda mais especial, pois é a única que possui essa habilidade de se ligar ao público – uma empatia forte é gerada aqui, e por todos os personagens.

O ano é 2018, e nada conseguiu representar melhor a natureza humana em sua forma mais crua do que a série animada de um homem cavalo meio humano e seus amigos.

Para finalizar

2019 será ano de despedidas, não seria certo finalizar essa lista sem frisar ao leitar esse ponto.

A superprodução da HBO retornará em seu último ano provavelmente mais marcante que nunca, saberemos de uma vez por todas quem ficará com o trono de ferro na última temporada de Game Of Thrones. Em You’re The Worst, o casal mais disfuncional e tóxico da tv também terá sua despedida logo no primeiro semestre do ano. Também no primeiro semestre do ano, a aguardada temporada de True Detective estará entre nós, série que sempre desafia o público com sua alta complexidade, e a expectativa pra esse ano também é alta. A série de humor política mais bem escrita dos últimos anos também seguirá para seu ano final, a certeza é que Veep se despedirá com glamurosidade fazendo jus a todos os excelentes anos da obra, Julia Louis-Dreyfus – a atriz mais talentosa dentro da comédia, certamente deixará saudades.

Nota: Séries aclamadas que também tiveram seu fim em 2018 como The Americans e 12 monkeys, não foram assistidas pelo autor até atual momento, por isso não estão presentes na lista. Etiquetas

PROPAGANDA
PROPAGANDA
PROPAGANDA